page-banner

Galardoados

Galardoado com o Prémio Al-Sumait 2015

Dr. Kevin Marsh

Dr. Marsh passou a sua vida adulta a viver e a trabalhar em África, sendo um dos principais responsáveis pelo tratamento da Malária e das doenças infecciosas entre as crianças. O trabalho dele foi definitivo e inovador, o que teve impacto na saúde de milhões de crianças em África. Foi também a base de conhecimento para as intervenções que levaram ao declínio da malária em toda a África, o que, segundo estimativas, evitou 6 milhões de mortes infantis nos últimos 15 anos. Ele publicou mais de 450 artigos médicos com colegas africanos em revistas científicas analisadas entre pares. Ao longo dessas décadas, ele permitiu a formação e a investigação em África, em Kilifi, no Quénia, no Instituto de Investigação Médica do Quénia/ Wellcome Trust Research Program. Tudo isto foi realizado em colaboração com a Universidade de Oxford e com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). Através de subsídios recebidos do Reino Unido e de outros financiadores internacionais, ele formou inúmeros cientistas, incluindo muitos que assumiram posições de liderança em África e no mundo. A maior parte do trabalho do Dr. Marsh durante os últimos dez anos concentrou-se no melhor controlo e, eventualmente, na erradicação da malária. Ele ganhou a confiança e o respeito dos seus colegas africanos, o que permitiu que a Academia Africana de Ciências promovesse as ciências da saúde entre os cientistas africanos. A liderança dele no desenvolvimento da AESA (Acelerar a Excelência na Ciência em África), uma nova plataforma pan-africana que apoia a excelência na ciência, está a ter um efeito abrangente na construção da base científica e tecnológica da qual depende o desenvolvimento de África. Como membro de muitos órgãos consultivos internacionais sobre o controlo de doenças tropicais, incluindo aqueles sobre a malária da Organização Mundial da Saúde, ele forneceu liderança regional e global.

Galardoado com o Prémio Al-Sumait 2016

O Instituto Internacional para a Agricultura Tropical (IITA) na Nigéria

O IITA é um dos principais centros de cultivo africanos, além de membro do CGIAR, e foca na investigação e no desenvolvimento dos principais cultivos alimentares africanos: banana e banana-da-terra, mandioca, feijão-frade, milho, soja e inhame. O impacto deste importante trabalho é bem visível no aumento da produção dos principais cultivos alimentares, como mandioca, banana, banana-da-terra e milho em toda a região da África Subsariana com resistência a pragas e doenças e tolerância a stresses abióticos como a seca, calor, solos pobres e mudanças climáticas. O IITA desenvolveu e implementou cultivos alimentares seguros e mais nutritivos, como leguminosas, cereais (milho de vitamina A, com as primeiras variedades de milho laranja do IITA) e tubérculos (mandioca) através da biofortificação, da utilização de produtos de biocontrolo eficientes e acessíveis contra aflatoxinas, disponibilizando-os para as famílias de pequenos agricultores na região para equilibrar as calorias, diversificar as dietas e salvaguardar a saúde e a nutrição.

A Equipa da Batata-Doce do Centro Internacional da Batata (CIP) no Peru

O CIP, um membro do CGIAR, expandiu o seu trabalho para fazer avançar a contribuição da batata-doce para os agricultores e agregados familiares africanos de forma a combater a deficiência de vitamina A, uma das formas mais nocivas de desnutrição no mundo em desenvolvimento. Ela limita o crescimento, enfraquece a imunidade, afeta a visão e aumenta a mortalidade. Afetando mais de 140 milhões de crianças em idade pré-escolar em 118 países e mais de sete milhões de mulheres grávidas, é a principal causa de cegueira infantil nos países em desenvolvimento.

A Equipa mobilizou fundos de dadores interessados e tem trabalhado para levar os benefícios nutricionais da batata-doce de polpa alaranjada (BDPA) para cerca de 2 milhões de agregados familiares em países da África Subsariana. A BDPA, juntamente com a educação nutricional, fornece vitamina A para populações vulneráveis. A Equipa acelerou a criação de variedades BDPA na África, o que resultou na liberalização de mais de 50 variedades nutritivas, juntamente com o aumento da capacidade técnica da equipa nacional de investigação em vários países e no desenvolvimento de variedades com maior produtividade e resistência à doença do vírus da batata-doce. A Equipa liderou o projeto de uma abordagem de “Marketing Integrado de Agricultura e Nutrição” para entregar material de cultivo de BDPA a populações vulneráveis, juntamente com educação nutricional e aconselhamento, e estratégias de criação de demanda no Quénia, na Ruanda e no Uganda com impacto substancial nos níveis agrícolas e domésticos. Todos os quatro membros da Equipa de Avaliação classificou a entrega do CIP de batata-doce de polpa alaranjada como extremamente qualificada.  

Galardoado com o Prémio Al-Sumait 2017

O Fórum para Mulheres Educadoras Africanas

Fórum para Mulheres Educadoras Africanas (FAWE) Nairobi, Quénia: O FAWE é uma rede não governamental pan-africana que funciona em 33 países para promover a educação de raparigas e mulheres na África Subsariana. O FAWE é uma forma única de colaboração entre os grupos de elite africanos, autoridades nacionais, comunidades locais e organizações internacionais. Ele trabalha com uma ampla gama de organizações, governamentais e não governamentais, para alcançar equidade e igualdade na educação por meio de programas direcionados a esse objetivo.

Contribuiu significativamente para a grande mudança de atitudes e práticas em relação à educação das raparigas em África neste século, influenciando os governos a reformular políticas que impedem o acesso das raparigas à educação.

As conquistas do FAWE incluem o estabelecimento de parcerias específicas através de memorandos de entendimento com 14 ministros; a integração de práticas sensíveis ao género nas políticas nacionais de educação em 17 países; a capacitação de jovens, particularmente raparigas, para identificar e abordar questões de género; o desenvolvimento do modelo de escola ou centro de excelência em resposta a questões de género em 10 países; a implantação do modelo de formação de professores em pedagogia em resposta a questões de género em 12 países; e o auxílio na desmistificação da ciência, da matemática e da tecnologia para raparigas, melhorando a participação e o desempenho destas em 14 países.

Galardoado com o Prémio Al-Sumait 2018

Professor Salim S. Abdool Karim

A citação do prémio sobre o Professor Karim é a seguinte: As contribuições do Professor Abdool Karim para a ciência no tratamento e prevenção do VIH levaram a alterações na política e na prática de saúde, com evidente impacto na mortalidade e na morbilidade dos pacientes. As descobertas dele sobre a relação entre o VIH e a tuberculose, uma das principais causas de morte em África, são especificamente mencionadas em muitas políticas e diretrizes de tratamento do país, e estão a ser implementadas em todo o mundo. O impacto é altamente tangível (por exemplo, as mortes de VIH relacionadas com a tuberculose diminuíram para metade na África do Sul desde 2012).

Professora Sheila K. West

A citação do prémio sobre a Professora West é a seguinte: A investigação da Professora West é focada em África, sobre formas de melhorar os resultados da cirurgia de triquíase e eliminar a cegueira causada por tracoma. O trabalho dela contribuiu para controlar a cegueira de crianças e adultos. Sheila West tem sido essencial no desenvolvimento da estratégia WHO SAFE para a prevenção e o controlo de tracoma, uma estratégia sustentável que agora é mundialmente utilizada e que está a prevenir a cegueira entre crianças e adultos. O progresso socioeconómico na prevenção da cegueira e na cura efetiva daqueles que estão infetados e estão em risco de cegueira se não tiver tratamento é claro: o estigma das cicatrizes ao redor dos olhos é evitado e a contribuição para o desenvolvimento económico é fortalecido. A Professora West continua o trabalho dela com parceiros do mundo inteiro nas comunidades mais pobres sobre as doenças tropicais mais negligenciadas.

Rakai Health Sciences Program

A citação do prémio para o Rakai Health Sciences Program é a seguinte: O instituto conta com 350 funcionários ugandeses em full-time na área clínica e de investigação. Eles incluem epidemiologistas, demógrafos, investigadores clínicos e de ciências básicas, cientistas comportamentais e de laboratório, além de funcionários de apoio à investigação. Os colaboradores adicionais do RHSP, cerca de 370, fornecem serviços de tratamento e prevenção do VIH como resultado das investigações do RHSP. O objetivo primordial da investigação no RHSP é em relação à melhoria da Saúde ao prevenir o VIH e doenças sexualmente transmissíveis. O RHSP reconheceu há três décadas as primeiras características clínicas do que viria a ser um novo fenómeno clínico, a “slim disease” (doença do emagrecimento). Para além disso, e pela primeira vez, a investigação do RHSP documentou a importância e o impacto global da circuncisão masculina como um meio de reduzir a incidência do VIH e outras infeções sexualmente transmissíveis. As publicações do programa nas revistas científicas de maior impacto tiveram implicações políticas, não apenas em África, mas em todo o mundo.

Galardoado com o Prémio Al-Sumait 2019

Associação para o Desenvolvimento do Cultivo de Arroz da África Ocidental (Africa Rice)

Africa Rice pelo seu papel importante no aumento da segurança alimentar em África, seja ao produzir novas variedades de arroz enriquecidos com vitamina A, com alto rendimento e resistente ao clima, seja ao liderar a organização pan-africana de investigação de arroz, cujo objetivo é melhorar os meios de subsistência em África através de uma ciência sólida e de parcerias eficazes destinadas a melhorar a economia do arroz no continente, como parte de uma parceria de investigação global para um futuro seguro em termos alimentares. Através da sua investigação aplicada e dos programas educativos, o Centro está a criar a próxima geração de profissionais na investigação do arroz e de alimentos em África.

Aliança Pan-Africana de Investigação de Feijões ( PABRA)

PABRA por servir uma rede dinâmica de cientistas e profissionais especializados em melhorar a produtividade, o processamento e a cadeia de valor do feijão em todo continente africano. A Aliança trabalha incessantemente na investigação inovadora para a implementação efetiva e a gestão sustentável das pequenas empresas agrícolas. A PABRA aumentou a integração dos legumes nos sistemas agrícolas, o que é importante para favorecer a fertilidade do solo, melhorar a qualidade nutricional e servir como um condutor resiliente em terras secas e ambientes propensos à seca.